Primeiras considerações sobre criar uma criança só com mãe

avatar Bettina2

Esse tema é muito importante quando você opta por uma maternidade independente. A falta de uma referência paterna pesa, sim, mas acredito que pode ser compensada ao longo do desenvolvimento da criança.

O amor de todos à volta, a inclusão em ambientes sociais que homens e mulheres frequentem juntos, tios próximos, amigos homens, tudo isso ajuda muito a trazer, ainda que indiretamente, a figura do pai. É importante forçar essas situações e entender a relevância para a criança. Ainda mais quando se trata de um menino.

Aquele pai herói, ídolo, que traz um vínculo especial da relação pode ser substituído desde que você se esforce para criar situações, programas, “aventuras” em conjunto. No meu caso, como tive uma filha, é menos crítica essa situação, mas igualmente desafiadora, a partir do momento em que em ambos os casos a ausência de um pai é fato.

Vai chegar o momento de contar a verdade pra minha filha, e penso que devo fazer o quanto antes, mesmo que ela não esteja pronta pra entender.

Posso começar por etapas (sugiro que essa fase seja acompanhada por uma psicóloga, pode contribuir muito para a mãe e seu filho). Por exemplo, eu li um caso de uma argentina que resolveu mostrar para a filha de 4 anos o laboratório que fez o procedimento dela: a criança viu, ao vivo, as salas, as enfermeiras, o microscópio, como foi feito o processo, e o melhor, foi tudo contado pelo próprio médico. Achei essa idéia interessante porque materializa uma coisa tão difícil de se explicar para uma criança.

dialogo-mae-filho

Outro ponto é como enfrentar os amigos do seu filho. Não basta  a criança estar convencida de que tudo bem como ela veio ao  mundo, mas é importante ela saber se defender diante dos amigos que costumam provocar, implicar.

Conheço um caso de uma mãe aqui de São Paulo que resolveu fazer um lanche em sua casa para a turma da escola de seus gêmeos e explicou didaticamente , de forma lúdica como foram feitos e por quê.

Esse caso me provou que, quanto mais a gente abre o coração pra falar a verdade, melhor é o resultado.

Vou buscar mais informações a respeito desse tema; em breve vou me ver nessa situação e quero poder ter várias alternativas e compartilhar aqui o que descobrir.

 

  1. Be, passei por aqui, para te parabenizar pela iniciativa da criação desse site. Certamente, compartilhar a sua experiência só irá ajudar quem ainda tem esse dilema. Essas mamães precisam saber que no final, tudo dá certo. O resultado é um bebê lindo no colo! Tem coisa melhor?

  2. Ola Bettina, estou decidindo pela producao independente. Gostaria muito de conversar com alguem que tambem optou por esse tipo de maternidade por qualquer que seja o motivo. Se tiver como conversarmos via email e voce me contar como foi o processo e como esta sendo agora, agradeceria de verdade. Abraco e aguardo resposta

  3. Bettina. Conheci seu site agora. Que iniciativa MARAVILHOSA! Tenho certeza que sera um grande apoio para muitas pessoas que precisam de orientacao, informação e troca de experiencias. Parabens!! Vou pensar em como posso contribuir para o sucesso desta iniciativa!

  4. Obrigada Marina, a idéia é mesmo dividir a experiência…estou preparando mais textos. beijos!

  5. Bettina
    Seu site é maravilhoso muito emocionante eu vou optar por fazer a produção independente se vc pudesse falar comigo como foi sua experiência
    Obrigada
    Karina